Category Archives: palavras soltas

chuva.

que chuva.

e eu, aqui em casa, no quente do sofá e da manta.

chuva.

que chuva.

e ter algo mais quente lá fora

sob um beijo, debaixo dela.

“Maybe there’s something you’re afraid to say, or someone you’re afraid to love, or somewhere you’re afraid to go. It’s gonna hurt. It’s gonna hurt because it matters.”

-John Green

Se tivesses a coragem de me agarrar, eu era tua.

-RM

To send a letter is a good way to go somewhere without moving anything but your heart.

Phyllis Theroux

courage

coragem é enfrentar os medos de frente.

é fincar o pé e dizer que somos capazes.

é contrariar a nossa vontade de fugir.

é trocar as voltas àquilo que o corpo quer fazer com a mente, e o que a mente quer fazer com o nosso corpo.

coragem é o respirar fundo.

é mostrar quem manda aqui.

coragem é controlo. é orgulho.

é sermos mais fortes do que as nossas forças. é sermos mais fortes do que as nossas fraquezas.

eu até podia escrever para ti.

e sobre ti.

mas também poderia escrever para outra pessoa.

sobre ti. ou sobre outra pessoa.

e até posso escrever para ninguém.

ou para toda a gente.

e no fim de tudo, concluo

que, sem até ou suposições possíveis…

escrevo para mim.

e sobre mim.

 

-RM

Nunca falta tempo para pensar,

Nunca falta tempo para lembrar,

Nunca falta tempo para amar,

Nunca falta tempo para sentir saudade.

Sempre sobra tempo para existir,

Sempre sobra tempo para não partir,

Sempre sobra tempo para sentir,

Sempre sobra tempo nestes sonhos de criatividade.

Mas nunca houve um sempre.

Ou para sempre, nunca diremos nunca?

Por aí fica o tempo de voar.

Por aqui fica o tempo de subir.

Por aqui fica o tempo de sonhar.

Por aí fica o tempo de não querer fugir.

-RM

3AM

 

Won’t you kiss me on that midnight street?

 

Era possível e nunca aconteceu.

Então as saudades são a réstia de acreditar que até pode acontecer.

-RM

single words

“Vive agora. Ocupa-te do presente.

Vive aqui, não te preocupes com o ausente.

Experimenta a realidade, não a imagines.

Aprecia e observa em vez de racionalizar.

Exprime em vez de manipular, exlpicar, justificar ou julgar.

Não limites a tua consciência – entrega-te à dor da mesma forma que ao prazer.

Não aceites mais ‘deves’ que os teus próprios.

assume a plena responsabilidade pelas tuas acções, sentimentos e pensamentos.

Aceita-te como és, aqui e agora”

– Naranjo

(há inspiração entre as linhas do estudo de Psicologia)

Surrender to being as you are.